Em Sergipe: Ex-deputado João das Graças é condenado por improbidade - Manchete do São Francisco

últimas

Home Top Ad

Post Top Ad

18 de agosto de 2017

Em Sergipe: Ex-deputado João das Graças é condenado por improbidade

Ele e Antônio Fontes terão que ressarcir em dobro o erário





O Juiz de Direito Marcos de Oliveira Pinto condenou o ex-deputado estadual conhecido por João das Graças e o senhor Antônio da Silva Fontes pela prática de improbidade administrativa. Ambos foram condenados, solidariamente, a ressarcir em dobro, os danos causados ao Erário, bem como tiveram seus direitos políticos suspensos e estão proibidos de contratar com o Poder Público.

Consta dos autos da Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa com reparação de dano ajuizada pela Promotoria do Patrimônio Público, que o senhor Antônio da Silva Fontes, juntamente com o ex-deputado 'João das Graças' arquitetaram um plano para ajudar a senhora Maria Helena do Nascimento Fontes a obter sua aposentadoria rural. Para isso, Maria Helena foi nomeada para exercer cargo de comissão no gabinete do deputado e foi remunerada com dinheiro público sem nunca ter comparecido à Assembleia Legislativa de Sergipe.

De acordo com o depoimento de Maria Helena, ela nunca trabalhou na Alese mas emprestou seus documentos ao seu irmão Antônio Silva Fontes para que ele, através de uma conta conjunta aberta no nome dos dois, pudesse recebesse o dinheiro do gabinete do deputado “João das Graças”. De acordo com os autos é prova irretorquível de que a senhora Maria Helena figurou como “funcionária fantasma” da Alese.

A pedido do MP, o ex-deputado “João das Graças” foi condenado por praticar atos de improbidade administrativa previstos nos incisos I dos artigos 10 e 11 da LIA – Lei de Improbidade Administrativa, e Antônio da Silva Fontes pela conduta tipificada no artigo 11, inciso I, também da LIA.

A equipe de jornalismo tentou contato com o celular do ex-deputado, mas não teve êxito. A redação continua à disposição do ex-deputado e de Antônio Fontes



Fonte: MP/SE
17/0-8/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Pages