Lavrador é assassinado por enteado em Aquidabã - Manchete do São Francisco

Manchete do São Francisco

JM News: 9 anos desde 08/03/11

Últimas

10 de julho de 2012

Lavrador é assassinado por enteado em Aquidabã

Polícia diz que Wallace responderá por homicídio qualificado
Wallace está detido na Delegacia de Aquidabã (Foto: Portal Infonet)
Os moradores de Aquidabã ficaram horrorizados com o assassinato do lavrador Lenivaldo dos Santos, de 46 anos, conhecido como ‘ Leno Mãozinha’. O  lavrador foi assassinado pelo enteado com um golpe de faca peixeira no estômago na noite da última segunda-feira, 9.

O ciúmes do casamento de 22 anos de Lenivaldo com Maria José Lopes da Silva foi o motivo apontado para o crime.  O Wallace Lopes da Silva, de 28 anos, alega que cometeu o crime por não aceitar que sua mãe fosse casada com outro homem. Dias antes do crime, Wallace pediu a mãe separasse do padastro.
“Desde a prisão feita por policiais militares em Muribeca, Wallace não demonstra nenhum  tipo de arrependimento. E afirma que cometeria o crime novamente”, afirma o delegado de Aquidabã, Wanderson Andrade.

O crime

De acordo com a Delegacia de Polícia de Aquidabã, Lenivaldo criava o enteado desde os seis anos de idade, mas sempre houve conflitos entre os dois que acabou ocasionando o homicídio.  “Por volta das 11h de segunda-feira o Wallace foi até a residência da mãe com a faca peixeira para cometer o crime.  Ficou na sala assistindo e aproveitou a ida de   Lenivaldo ao banheiro. No seu retorno  enteado golpeou a vítima   no estômago”, conta o delegado.
Após o crime, Wallace fugiu da residência da mãe.  Os policiais militares após várias buscas na região conseguiu localizar o fugitivo em Muribeca. “ Ele estava dentro de um micro-ônibus com destino a Aracaju. O objetivo era se esconder na casa de uma tia no bairro Rosa Elze”, explica.

Wallace Lopes da Silva será encaminhado para a 4ª Delegacia Metropolitana de Aracaju.  De acordo com o delegado o acusado responderá por homicídio qualificado e cumprirá uma pena que vária de 12 a 30 anos de reclusão.
Por Adriana Freitas e Kátia Susanna

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pages