"ISES" de Propriá e a Prefeitura sob investigação do Ministério Público - Manchete do São Francisco

Manchete do São Francisco

JM News: 9 anos desde 08/03/11

Últimas

18 de maio de 2013

"ISES" de Propriá e a Prefeitura sob investigação do Ministério Público


Portal está nos rastros de uma investigação levada ao ar pela Megga FM que, se comprovada será mais um escândalo na administração pública do estado de Sergipe

Recebemos na noite de ontem (16) uma informação passada gentilmente pelo radialista Márcio Campos (Megga FM) que imediatamente corremos na pista para aferir sua veracidade pois, caso seja confirmada, se caracterizará em um dos maiores escândalos na administração pública do Estado de Sergipe, já anunciado em 02 de maio de 2013 pelo portal Lagarto Conect.

O que podemos adiantar é que, segundo o radialista George Magalhães confirmou na manhã de hoje (reproduzindo áudio da TV Atalaia) em seu programa levado ao ar na Megga FM, trata-se de um depósito de aproximadamente R$ 18 milhões nas contas da ONG ISIS (Instituto Sócio-Educacional Solidariedade) pelas prefeituras de Japaratuba, Propriá, Riachão do Dantas, Divina Pastora, Tobias Barreto, Poço Redondo e Umbauba no período eleitoral para dispensa de licitação na contratação dos serviços, valores que chamaram a atenção do promotor Paulo José Francisco Alves Filho, da Comarca de Japaratuba.

Por: Tribuna da Praia

Um comentário:


  1. Essa denuncia é falsa como foi constatada pelo Tribunal de Contas de Sergipe através do Protocolo TC 2013/093246. O TCE-SE deixou claro após a auditoria que essa denuncia não procedeu. Inclusive o Sr. Nelson Araújo (denunciante) foi condenado a 26 dias de detenção pelo Juiz Dr Otávio Augusto Bastos Abdala, substituto do Juizado Especial Criminal da Comarca de Aracaju por não haver fundamento em suas acusações.
    Veja matéria em http://www.infonet.com.br/politica/ler.asp?id=159620&titulo=noticias

    O empresário Nelson Araújo, presidente da Federação da Pequena e Microempresa de Sergipe (Fampeme), foi condenado a 26 dias de detenção, a ser cumprida em regime aberto, por não conseguir provar denúncias envolvendo os contratos firmados pela Oscip Instituto Socioeducacional de Solidariedade com sete prefeituras sergipanas.

    ResponderExcluir

Pages